OS RUMOS DA MARVADA

Cachacascom Gazeta Cupula Da Cachaca
Especialistas no destilado genuinamente nacional se reúnem em Analândia para trocar experiências e conhecimentos em busca da valorização da cachaça

Um  encontro  com  alguns dos grandes especialistas em cachaça do Brasil para trocar ideias, dividir conhecimentos e discutir estratégias para levar adiante o processo de revalorização que a bebida nacional brasileira vem experimentando nos últimos anos.

Assim será a Cúpula da Cachaça, cuja primeira edição acontece na cidade de Analândia, no interior de São Paulo, de 25 a 27 de janeiro. A sede do evento é a Pousada e Cachaçaria Macaúva.

A Cúpula é um encontro com caráter independente e o encontro não terá a participação de marcas de bebida ou entidades governamentais ou empresariais. O objetivo é a discussão aberta dos temas mais sensíveis ao universo da cachaça.

A programação prevê palestras, debates, lançamento de livro e exibições de vídeos, entre outras atividades.

Entre os temas abordados estão as regras para concursos de cachaça, a atividade profissional do degustador, padronização e legislação, envelhecimento, análise sensorial e química, mixologia e a relação da cachaça com a cultura brasileira.

PARTICIPANTES CONFIRMADOS

Manoel Agostinho Lima Novo – Autor do livro Viagem ao mundo da cachaça, criador do site www.mundodacachaca.com e do aplicativo para Iphone Cachaça Brasil. Atua como consultor e palestrantes e é formado em Análise Sensorial pelo Centro Studi Assaggiatori (Brescia, Itália)

Milton Lima – Nascido, fermentado e destilado  em Pirassununga, escreveu o tcc Cachaça do Brasil – da Senzala para a Casa Grande, que originou o cachaças.com – site  que há seis anos é importante fonte de referência sobre o universo da cachaça. É colecionador de cachaça e proprietário da Cachaçaria Macaúva. Foi jurado do Ranking Playboy de Cachaças 2011. Atualmente ministra palestras e consultorias sobre cachaça.

Nelson Duarte – Tecnólogo em Bebidas, Mestre Alambiqueiro, Master Blender premiado e Bartender com certificação internacional pela International Bartenders Association, é autor do livro “Cachaça de Alambique: uma dose de marketing” (2013) e palestrante, especialista em Análise Sensorial certificado pelo Centro Studi Assaggiatori de Brescia, Itália.

Derivan Ferreira – Membro da direção da ABB (Associação Brasileira de Barmen) e na IBA (Associação Internacional de Barmen), como vice-presidente para a América do Sul. Barman de bares que marcaram a noite paulistana, como San Francisco Bay, Bistrô, Tanoeiro Bar e Esch Café, atualmente é titular do Bar Número. Conquistou vários prêmios, como Veja SP e Gula. Publicou cinco livros, sendo o último, A Coquetelaria ao Alcance de Todos (2012).

Leandro Marelli de Souza – Pós-doutor pela USP e Doutor pela Uenf, com estudos relacionados à Tecnologia de Bebidas e ao Controle de Qualidade em Bebidas Alcoólicas. Autor de artigos sobre qualidade química e sensorial da cachaça publicados em periódicos e congressos científicos nacionais e internacionais. Jurado do Ranking Playboy de Cachaças 2011

Dirley Fernandes – Jornalista, editor, crítico de música e de cinema e documentarista. Com passagens por veículos como Manchete, Seleções, Extra, JB e Jornal do Commércio, é autor do documentário em média metragem Devotos da Cachaça (2010), que aborda a profunda inserção da cachaça na cultura, história e identidade brasileiras.

Glauco Mello Jr - Engenheiro Químico formado pela Unicamp, tendo trabalhado na Copersucar, Grupo Raízen, Grupo Zilor, e desde 1996 é consultor em fermentação alcoólica da multinacional Elanco, com experiências no Brasil, América Latina e Ásia.

Peter Carl Armstrong - Bacharel em Ciências Políticas pela Universidade de Victoria, Canadá, correspondente e Redator Regional da The Canadian Press, desenvolveu e implementou projetos de exportação para Cervejaria Brahma, Caninha 51, Caninha da Roça e Caninha 21. Consultor para o Brasil da International Wine & Spirits Record, de Londres.

  1. ScobarScobar09-27-2013

    Olá pessoal.

    Bom vamos lá, já a algum tempo venho sendo leitor desse maravilhoso site e o considero como o melhor nesta área. Tenho 49 anos e a mais de 20 aprecio degustar uma ótima cachaças, não me considero uma excelência, mais acredito ser um profundo conhecedor.
    A alguns anos quando a revista PlayBoy lançou seu primeiro ranking de cachaças, como eu já conhecia todas as listadas e algumas outras e não pude concordar totalmente com o mesmo, achei que faltaram algumas e outras não deveriam figurar na no ranking, não que essas cachaças não fossem boas, mais sabia da existência de outras muito melhores.
    O tempo foi passando e outros ranking além dos da Playboy foram surgindo e continuei não concordando totalmente com os mesmos, a presença de algumas e a falta de outras me levaram a tentar entender o que estava ocorrendo, será que meu paladar era tão diferente!! Não creditando que tivesse um paladar tão diferenciado resolvi tirar minhas dúvidas, todas as vezes que estava com amigos que apreciam essa maravilha, fiz um teste cego, onde colocava uma das cachaça que eu entendia que não deveria estar no ranking e uma outra que acreditava que deveria estar e para surpresa desses meus amigos e não minha, quase sempre o resultado era favorável a cachaça que eu havia escolhido.
    Neste momento foi que minhas dúvidas aumentaram, pois a diferença não estava em meu paladar pelos resultados que encontrei, em algum outro motivo, resolvi então analisar os ranking e descobri que as cachaças listadas nos ranking eram basicamente sempre as mesmas, mudava uma ou outra cachaça e sempre os nomes que apareciam eram só de cachaças mais conhecidas e não das melhores, porém depois de muito pensar eu descobri o motivo. Achei tudo isso muito estranho resolvi então verificar e em minhas analises acredito ter descoberto o motivo. O problema não estava nos degustadores que fizeram o ranking, mas na falta de conhecimento de um universo maior de nossa cachacinha amada, comecei a verificar nas matérias as indicações de onde beber as mesmas e resolvi visitar os bares e outras casa que eu ainda não conhecia e em todos esses lugares percebi que os cardápios são praticamente iguais, nada de novo ou diferente, alguns com 70, 80 cachaças em seu cardápio, outros 130, 150 mais sempre algo muito parecido.
    Por isso resolvi escrever esse longo texto para tentar colaborar com um futuro ranking, que mesmo que seja igual aos que já foram feitos, que tenham basicamente a mesmas cachaças, será mais realista, pois serão degustadas um universo muito maior cachaças, para que isso ocorra os degustadores deveriam frequentar casas que tenham um cardápio mais diversificado saindo da mesmice, algo mais extenso e que tenha cachaças de varrias áreas do pais, deixo como sugestão o maior cardápio que conheço que é o do Gogó da Ema na região do Morumbi em São Paulo, com mais de 900 rótulos diferentes e entre eles estão todas as citadas em todos os rankings.

    Cachaças que faltaram:

    - CORREINHA
    - SANTO GRAU SEX 18
    - PINISSILINA
    - SALINAS
    - 30 LUAS
    - REPUBLICANA
    - ALDEIA
    - VELHO PESCADOR

    Um grande abraço a todos.

Comente